Voltar

Saiba mais...

 

NAZARÉ - APETRECHOS DE PESCA, 1976
Jorge de Almeida Monteiro (1908-1983)
Cobre martelado, 170x99,5 cm
Oferta do autor, 1976
Museu Dr. Joaquim Manso inv. 13 Met.


Este painel alegórico foi realizado por Jorge de Almeida Monteiro, para assinalar a inauguração do Museu Dr. Joaquim Manso, em junho de 1976, estando exposto na sala de entrada, nos primeiros anos da sua abertura ao público.

Num painel vertical, estão dispostos vários elementos relacionados com a pesca tradicional na Nazaré, desde peixes e moluscos (como uma lagosta e um caranguejo) a vários apetrechos: uma cabaça (que servia de boia), um vertedouro (ou bartidor, para retirar a água das cavernas das embarcações), uma fateixa, um fogacho (para iluminação), uma agulha de fazer rede, um foquim (para transporte do farnel do pescador quando ia para a pesca do alto); à esquerda, no canto inferior, uma barça com as iniciais JM (possivelmente do autor, embora exista no Museu também uma barça com as iniciais JM), junto a uma recoveira (vara bifurcada de madeira utilizada no transporte de cordas, redes, lavadeiros ou na colocação de redes e cordas a secar); daqui, parte uma corda com boias e panas (normalmente de cortiça, para flutuar) com as iniciais JCV (o Museu possui um vertedouro com as iniciais JCV, referente ao pescador Joaquim do Carmo Vagos), que se estende até a uma poita (para fundear a embarcação) e um pião vertical; no extremo direito, um remo.

Jorge de Almeida Monteiro era natural do Bombarral, onde era proprietário de uma fábrica de cerâmica. Aqui, nos anos 1940-50, reuniam-se e fizeram experiências em barro e gravura artistas como Vasco Pereira da Conceição, Maria Barreira, Júlio Pomar, Ferreira da Silva, entre outros. Era casado com Atalanta, filha de Evaristo Judícibus, que detinha uma tipografia naquela vila. O casal possuía uma casa na Nazaré, na Av. Vieira Guimarães, conhecida como “Casa Atalanta”.

Em parte, é graças à sua ação que aqueles artistas vieram também à Nazaré e se deixaram inspirar pelos seus pescadores e nazarenas.

Artisticamente, Jorge de Almeida Monteiro trabalhou diversos materiais, sendo mais expressivo na gravura e nos cobres martelados.

Era um homem interessado pela cultura em geral, incluindo a arqueologia e a história da região, tendo colaborado na organização do Museu Dr. Joaquim Manso, com outras figuras como Eduíno Borges Garcia e Eurico Castro e Silva, assim como com o primeiro diretor da instituição, João Saavedra Machado, que assumiu funções em 1972.

Saiba mais sobre esta peça e Jorge de Almeida Monteiro em MatrizNet

 

Nazare JAM

Data: 01/08/2021

Local: Museu Dr. Joaquim Manso | Nazaré

Publicação: 04-08-2021

Categorias

Partilhar