Voltar

Saiba mais...

 

Medalha de Nossa Senhora da Nazaré, s.d. (séc. XX)
Dimensões: 8 x 6,5 cm; metal e madrepérola
Museu Dr. Joaquim Manso inv. 1795 Etn.


Setembro é o mês das Festas em Honra de Nossa Senhora da Nazaré, cujas celebrações atingem o seu ponto alto no dia 8 de setembro, marcado por procissão e missa.


Em torno da pequena imagem de uma Virgem do Leite, considerada milagrosa e oriunda de Nazaré (Palestina), foi crescendo um culto devocional que teve a sua maior expressão no milagre medieval ao cavaleiro D. Fuas Roupinho, salvo de se precipitar no mar quando perseguia um veado, estancando o cavalo no alto do penhasco por intercessão da Virgem. Segundo a lenda, em agradecimento por esse momento salvífico, o então alcaide-mor de Porto de Mós terá mandado erguer a pequena Ermida da Memória, sobre a gruta onde a imagem de Nossa Senhora estava resguardada. E assim teve origem o desenvolvimento do Sítio da Nazaré (sítio do Milagre de Nossa Senhora da Nazaré).

Próximo da Ermida, o Santuário de Nossa Senhora da Nazaré, construído e ampliado nos séculos seguintes, sempre sob proteção da Casa Real, atesta a crescente afluência de peregrinos, aqui acorrendo anualmente numerosos círios dos mais variados pontos da região. Simultaneamente, a devoção à Senhora da Nazaré foi expandindo-se por todo o território nacional e além-fronteiras, acompanhando as viagens das Descobertas dos portugueses. No Brasil, em Belém do Pará, esta devoção mobiliza cerca de 2 milhões de crentes no grande círio realizado em outubro, que é classificado como Património Imaterial da Humanidade.

A iconografia do Milagre de Nossa Senhora da Nazaré a D. Fuas Roupinho foi sendo definida ao longo dos séculos, fixando-se numa representação em que D. Fuas e o cavalo se encontram suspensos sobre o promontório, à direita, enquanto o veado e a lança se projetam no mar, normalmente pontuado com algumas embarcações; a Virgem encontra-se numa diagonal à esquerda ou ao centro, sobre uma nuvem, envolta pelo manto e segurando o Menino no seu braço esquerdo.

Como forma de recordação da vinda ao Santuário ou para criação de pequenos altares em ambiente doméstico, os peregrinos podiam adquirir gravuras de registos de santo, alguns dos quais inscritos em “chapas” ou “lâminas” popularmente ornamentadas, bem como medalhas, molduras e muitos outros objetos devocionais.

É o caso desta moldura contendo uma medalha alusiva ao Milagre de Nossa Senhora da Nazaré a D. Fuas Roupinho fixada a um fundo de madrepérola, apresentando um suporte no verso, para estar em exposição.

Pertencia a Tito Calixto, colecionador e homem de cultura da Nazaré, que foi secretário na Confraria de Nossa Senhora da Nazaré.

 

 medalha nossa senhora da nazaré

 

O Museu Dr. Joaquim Manso possui uma notável coleção de registos de santo, obras de arte e documentação, entre muitos outros objetos associados à devoção popular a Nossa Senhora da Nazaré.

O Culto a Nossa Senhora da Nazaré é um dos Cultos Marianos mais antigos de Portugal, com mais de 800 anos de história, encontrando-se espalhado pelo mundo, nomeadamente nos países de expressão portuguesa. Encontra-se em curso um processo de candidatura das Práticas e Manifestações deste Culto a Património Cultural Imaterial da UNESCO (saiba mais aqui).

Mais informação sobre este Objeto em MatrizNet 

 

Data:

Local: Museu Dr. Joaquim Manso | Nazaré

Publicação: 01-09-2020

Categorias

Partilhar